Faça o ‘teste do pescoço’ e saiba se existe racismo no Brasil

Retirado de: http://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/07/teste-do-pescoco-revela-racismo-no-brasil.html

Aplique o Teste do Pescoço em todos os lugares e depois tire sua própria conclusão. Questione-se se de fato somos um país pluricultural; uma Democracia Racial
Por Luh de Souza e Francisco Antero. via Maria Frô

1. Andando pelas ruas, meta o pescoço dentro das joalherias e conte quantos negros/as são balconistas;

Greve das Terceirizadas da USP, 2013

2. Vá em quaisquer escolas particulares, sobretudo as de ponta como; Objetivo, Dante Alighieri, entre outras, espiche o pescoço pra dentro das salas e conte quantos alunos negros/as há . Aproveite, conte quantos professores são negros/as e quantos estão varrendo o chão;

3. Vá em hospitais tipo Sírio Libanês, enfie o pescoço nos quartos e conte quantos pacientes são negros, meta o pescoço a contar quantos negros médicos há, e aproveite para meter o pescoço nos corredores e conte quantos negros/as limpam o chão

4. Quando der uma volta num Shooping, ou no centro comercial de seu bairro, gire o pescoço para as vitrines e conte quantos manequins de loja representam a etnia negra consumidora. Enfie o pescoço nas revistas de moda , nos comerciais de televisão, e conte quantos modelos negros fazem publicidade de perfumes, carros, viagens, vestuários e etc

5. Vá às universidades públicas, enfie o pescoço adentro e conte quantos negros há por lá: professores, alunos e serviçais;

Alunxs de Medicina, USP. Retirada do facebook “Atlética Medicina Usp”

6. Espiche o pescoço numa reunião dos partidos PSDB e DEM, como exemplo, conte quantos políticos são negros desde a fundação dos mesmos, e depois reflitam a respeito de serem contra todas as reivindicações da etnia negra.

Continue lendo

Enegrecer o feminismo

Enegrecer o feminismo em pdf

ENEGRECER O FEMINISMO: A SITUAÇÃO DA MULHER NEGRA NA AMÉRICA LATINA A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA DE GÊNERO

por Sueli Carneiro
Fundadora e coordenadora-executiva do Geledés – Instituto da Mulher Negra São Paulo SP

No Brasil e na América Latina, a violação colonial perpetrada pelos senhores brancos contra as mulheres negras e indígenas e a miscigenação daí resultante está na origem de todas as construções de nossa identidade nacional, estruturando o decantado mito da democracia racial latino-americana, que no Brasil chegou até as últimas conseqüências. Essa violência sexual colonial é, também, o “cimento” de todas as hierarquias de gênero e raça presentes em nossas sociedades, configurando aquilo que Ângela Gilliam define como “a grande teoria do esperma em nossa formação nacional”, através da qual, segundo Gilliam: “O papel da mulher negra é negado na formação da cultura nacional; a desigualdade entre homens e mulheres é erotizada; e a violência sexual contra as mulheres negras foi convertida em um romance”.

Continue lendo

Vídeos sobre cotas e a questão racial

Essa conversa não é sobre você:

Boneca negra, boneca branca

Debate: PIMESP, o que é? A quem serve?

Ato-Debate organizado para discutir o Programa de Inclusão com Mérito no Ensino Superior de São Paulo (o PIMESP) e as estratégias para barrá-lo.Convocam a atividade:
– Núcleo de Consciência Negra na USP,
– Associação dos Pós-Graduandos da USP – Helenira “Preta” Rezende,
… – DCE Livre da USP – Alexandre Vannuchi Leme,
– Centros Acadêmicos da FFLCH-USP,
– Frentes Pró-Cotas Raciais da USP e da Unicamp.

Convidados:
Prof. a Maria Helena Machado (FFLCH-USP)
Prof. Vagner Silva (FFLCH-USP)
Jupiara Castro (Núcleo de Consciência Negra na USP)
Frei David (Coord. da ONG Educafro)
Prof. João Zanetic (ADUSP)
João Grandino Rodas – Reitor da USP
Parlamentares e Representantes dos movimentos negro e estudantil

Evento no facebook: http://www.facebook.com/events/505255806186620/?ref=notif&notif_t=plan_user_invited
Venha debater cotas!