[atividade] Seminário das Minas

CICLO DE SEMIRÁRIOS DAS MINAS

Nós, mulheres do Rizoma, fazemos um amplo chamado à todas para virem ao nosso ciclo de seminários sobre política! Atividade para debater política só entre mulheres, para que possamos nos empoderar na luta revolucionária contra o estado e o capital:

SMOlá minas!

Convidamos todas vocês para o nosso ciclo de seminários que será dividido em 2 blocos de três encontros. Este primeiro bloco será assim:

19/08 | 18h | na EACH | Sala 102 Prédio i1 (Titanic)
– Tema: Anarquismo

A ideia deste encontro é introduzir e aprofundar os debates sobre o que é o anarquismo. Vamos focar no debate que ocorreu internamente ao anarquismo pós revolução russa e também vamos falar sobre o anarquismo no Brasil.

26/08 | 18h | na UNESP (Instituto de Artes/Barra Funda) | Sala do Diretório Acadêmico
– Tema: Entidades de Base

A ideia desse encontro é debater o papel das entidades de base e explicar suas dinâmicas e funcionamento.

02/09 | 18h | no Sintusp (USP/Butantã) | Saguão do Sintusp
– Tema: Aliança operária-estudantil

Neste encontro queremos fazer uma primeira apresentação sobre o que é a aliança operária-estudantil e porquê a defendemos, e logo em seguida contar com a colaboração de uma convidada para compartilhar o histórico de greves onde a atuação conjunta de estudantes e trabalhadores foi fundamental.

Como vão funcionar os seminários?
Nós queremos fazer uma apresentação de em média 30 minutos e logo em seguida abrir para o debate e para as perguntas; a ideia é que a atividade dure o período do entre-aulas, e deverá ter por volta de 1h30 de duração no total.
** Os seminários são auto-organizados e só poderão participar mulheres (sem grandes embates: é mulher – cis ou trans -, é só chegar)

Por quê estamos organizando esse seminário?
– Queremos nos reunir entre mulheres para falar sobre política de um modo geral. Queremos criar um espaço confortável para que todas as dúvidas e debates possam ser feitos sem medo, sem vergonha e sem receio. Sabemos que muitas e muitas vezes nós mulheres deixamos de fazer uma pergunta ou alguma colocação em espaços mistos porquê temos receio que nossa pergunta seja vista como “idiota” ou qualquer coisa assim. Sabemos que enquanto os homens que hoje estão no cenário político puderam ficar lendo textos e textos teóricos, nós estávamos limpando a casa, estávamos tomando cuidado para não sermos estupradas e quando vamos para o espaço político precisamos lidar com as duplas/triplas jornadas para dar conta dos debates teóricos gerais e os debates e formações necessárias para a nossa própria sobrevivência. Por isso queremos que este espaço seja uma formação política baseada na troca mútua de conhecimentos, para juntas conseguirmos avançar de forma cada vez mais forte no cenário político como um todo;
– Queremos aproveitar também este espaço para que mais mulheres da nossa organização consigam se preparar para falas públicas. Timidez, insegurança, e vários outros motivos fazem com que muitas vezes apenas os caras ocupem os lugares de falas públicas e nós não queremos que eles parem de fazer isso, mas queremos fazer também. Então a ideia destes seminários é que todas as mulheres do Rizoma possam conduzir as falas principais – em um esquema de revezamento -, para irem se preparando para avançar cada vez mais.
– E obviamente nós queremos ajudar no processo de formação para que cada vez mais mulheres sintam-se preparadas para entrar a vida política da militância. Nós acreditamos que é possível destruir o capitalismo, mas sabemos que essa tarefa é difícil e precisamos de muitas e muitas fileiras de mulheres engajadas nessa tarefa que é árdua, mas necessária.

O que é a Frente de Mulheres do Rizoma?
O Rizoma, organização que nós participamos e construímos, desde o seus primeiros passos sempre teve a presença marcante de muitas mulheres. Recentemente com o coletivo crescendo a proporção de homens está aumentando… Como o feminismo para nós não é uma questão supérflua, mas sim uma necessidade real nós sempre fizemos reuniões entre as mulheres da organização. Nós não somos um coletivo feminista, nós (pelo menos até hoje) não tiramos linhas estratégicas para intervir no movimento feminista. Nós organizamos a nossa frente como uma ferramenta de auto-defesa permanente para garantir a nossa militância tanto no interior de nossa própria organização, como para o cenário da militância em geral.
Nos inspiramos em todas as mulheres que ao longo da história formaram suas próprias fileiras de combate e se fizeram presentes também na militância de espaços mistos. Por isso nos organizamos em uma Frente e seguimos atuando no Movimento Estudantil.

Mas… e o segundo bloco do seminário?
Ainda estamos organizando o próximo ciclo, mas algo nos diz que será envolvendo os debates acerca do sindicalismo. Ideias e sugestões também são bem vindas!

Comentários fechados.