Balanço da Greve – Posicionamento do Rizoma acerca da greve de 118 dias na USP

BALANÇO DA GREVE

Vivenciamos  em 2014 um longa greve que, ao decorrer de seus 118 dias passou por  momentos diversos. A conjuntura se alterava e a cada período o movimento  respondia de uma forma diferente.

Somos  uma tendência que atua no Movimento Estudantil e por isso não  contemplaremos neste texto de balanço um foco na greve de trabalhadores,  que já foi tão bem avaliada nos materiais produzidos pelo próprio  Sintusp. A nós cabe trazer à tona algumas reflexões e apontamentos sobre  o setor estudantil da Universidade de São Paulo nesta greve que  unificou as três categorias das três universidades paulistas.

INÍCIO DA GREVE

Ao  contrário das últimas mobilizações na USP, que tendiam a se iniciar no  2º semestre do período letivo, a greve de 2014  começou logo no 1º  semestre, atravessou o período de férias letivas e adentrou o 2º  semestre estendendo-se até meados de setembro. O movimento foi longo e  não pode ser resumido em poucas palavras através de uma avaliação  uniforme do início ao fim. Precisamos compreender as particularidades de  cada período para avaliarmos de forma coerente e comprometida esta que  foi a greve mais longa da história da USP.

Apesar  de seu esvaziamento ao decorrer da greve, o movimento estudantil  demonstrou disposição no primeiro semestre. Havia uma vontade e  compreensão da importância da greve como instrumento de luta e que  deveria refletir também os anseios de reivindicações estudantis. A  reivindicação salarial encampada por docentes e funcionários precisava  encontrar as suas equivalências para os estudantes. Lutar contra o  arrocho salarial é lutar pela classe trabalhadora e por isso estudantes  articularam seus eixos ao redor do mesmo recorte classista que as demais  categorias.

EIXOS

Através  de articulações nas bases dos cursos os eixos de cotas e permanência  foram tomando formas concretas, respaldados em necessidades reais da  juventude pobre que luta para entrar, permanecer e concluir a  universidade. Estudantes da EACH também estavam mobilizados em suas  assembleias e atividades específicas e tiveram forças para incluir como  eixo do movimento geral a luta em defesa do campus da zona leste. E como  para seguir lutando é fundamental defender todos/as os/as  companheiros/as, nos erguemos pelo fim dos processos. A REItoria também  começava a deixar mais clara a sua intenção na cobrança de mensalidades e  o movimento estudantil não teve dúvidas ao sair em defesa da  universidade gratuita.

Havia  entretanto, nos primeiros momentos da greve, uma polarização no  movimento estudantil. Alguns setores reivindicavam que os estudantes  deveriam entrar na greve somente em apoio aos docentes e funcionários, seguindo o  calendário de atividades e pautas do Fórum das Seis. Outro setor  compreendia que uma real aliança entre estudantes e trabalhadores não se  faz apenas com apoio, mas sim caminhando lado a lado.

Por  acreditarmos na importância do movimento estudantil enquanto categoria  de luta com reivindicações específicas, nós nos colocamos desde o  primeiro momento da greve conjuntamente com os estudantes que avaliavam a  importância de nossa mobilização sem estarmos à reboque da greve de  funcionárias e docentes, mas sim ao seu lado – ombro a ombro -,  avançando contra as políticas elitistas e privatistas da Reitoria e da  burocracia universitária.

A  resistência de diversos setores do M.E. em construir uma mobilização de  aliança concreta entre estudantes e trabalhadores (contando com  demandas de ambas categorias), infelizmente atravancou o processo de  mobilização. Apesar do movimento – em assembleia geral – ter aprovado a  luta contra o arrocho salarial e pelos eixos específicos estudantis, os setores do  movimento ligados aos grupos majoritários no DCE e outras correntes, que não concordaram  com a deliberação das bases, esvaziavam sistematicamente os fóruns e  atividades acerca dos eixos.

Desta forma pouco a pouco os estudantes foram perdendo sua organização inicial.  Estes espaços eram fundamentais para que os cursos se articulassem em  torno dos eixos e conseguissem projetá-los para o movimento geral, mas  foram boicotados pelos estudantes que abandonaram a luta real para  fazerem por muitas semanas campanha para as eleições burguesas.

DESMOBILIZAÇÃO ESTUDANTIL

Ao  final do 1º semestre já era nítida a desmobilização. O movimento  estudantil não conseguiu se organizar para sustentar a mobilização massiva durante o período de férias letivas. Com raras participações pontuais,  os estudantes enquanto categoria deixaram aos funcionários a tarefa  de atravessar o mês de  julho em greve sozinhos. Funcionários/as por sua  vez sabem que a luta de classes não tira férias e assim como superaram o  período da Copa do Mundo, também superaram as férias escolares.

A demora em definir se a greve seria de apoio ou com pautas específicas fez com que somente às vésperas das férias conseguíssemos articular os eixos. Esta demora fez com que não conseguíssemos, por exemplo, definir mais claramente quais as reivindicações dentro da pauta de permanência estudantil. Poderíamos ter conseguido definir qual o índice de reajuste que reivindicaríamos para as bolsas, bem como quais as nossas exigências acerca da moradia estudantil. A ausência destas pautas melhores delimitadas, somado aos outros fatores já apresentados, fizeram com que os estudantes não se sentissem parte desta greve.

Com  a entrada do mês de agosto havia uma nova esperança na retomada da  mobilização. Funcionários em greve depositaram mais uma vez nos  estudantes a esperança de uma luta unificada. Fizeram um chamado à nossa  categoria, deixaram claro que queriam que estivéssemos na luta com  nossas próprias reivindicações. Os ataques à universidade se acirravam e  era fundamental a participação de estudantes, categoria que também  seria duramente atingida pelas medidas impostas pela REItoria. Mas o  cenário não se alterou.

Os dois últimos meses da  greve foram marcados pela inércia de nosso movimento. Sair da luta não era uma opção frente aos ataques que vinhamos sofrendo e por isso seguimos,  mesmo em pequeno número, ajudando a construir as ações  radicalizadas  tiradas pelo comando de greve das/os funcionárias/os. Era preciso  derrotar um inimigo em comum, e a vitória dos trabalhadores seria também  a nossa. Uma derrota para o reitor Zago, independentemente de qual fosse a pauta vitoriosa, recolocaria para todas as pessoas que é com  greve, luta e ação direta que a classe trabalhadora consegue vitórias.

Não conseguimos portanto, enquanto movimento estudantil, nos colocarmos como uma importante fileira na greve. Com  pouca mobilização não se consegue pautar as reivindicações, portanto a  greve que se alongou por quase 4 meses se mostrou uma greve pelas pautas da categoria que estava infinitamente mais forte: os funcionários. Para  nós foi mais do que justa a vitória dos trabalhadores que lutaram  bravamente e sem nenhum momento de descanso pelas suas condições de vida e trabalho.

MÉTODOS DO MOVIMENTO

Prezamos por um Movimento que encontre coerência entre a sua forma e o seu conteúdo, entre os seus meios e fins. Não acreditamos em lutas radicalizadas no discurso que não se manifestem na realidade material, bem como não cremos que métodos históricos das de abaixo sejam suficientes se não tem um objetivo que favoreça seus/suas protagonistas.

Dentro  dessa perspectiva, os métodos piqueteiros de trancamentos de  prédios,  unidades e portões trouxeram ao movimento uma outra dinâmica.  Ao invés  de nos encerrarmos dentro de prédios descartáveis para a  burocracia,  impomos (trabalhadores e estudantes) a alteração da  normalidade de maneira concreta. Estimulados pelo espírito radicalizado  dos trabalhadores,  mostramos aos de acima e a todos que se opõe aos  métodos historicamente ligados à luta da classe trabalhadora, uma parte  da realidade que a população negra,  pobre e periférica tem de enfrentar  todos os dias: a exclusão física e  institucional da Universidade.

As ações diretas organizadas pelo movimento grevista somente foram possíveis, pois trabalhadores e estudantes organizaram-se através do “Comando de Greve” estruturado por delegações, que articulavam nesta instância maior os anseios e propostas das bases dos cursos e das unidades. Não seria uma direção eleita através das urnas e descolada das bases que conseguiria pensar estratégias em direção à vitória do movimento, e sim a organização dos trabalhadores através da democracia direta e pela base.

REPRESSÃO

Mais uma vez assistimos aos movimentos de contestação serem duramente reprimidos.

Desde  o firmamento do convênio PM-USP (2011), a presença e a ação do aparato  repressivo do Estado vem se intensificando. Em todas as ocupações  passadas estudantes foram presas/os e a polícia agiu da única maneira que sabe: com truculência.

Esse  ano não foi diferente. Apesar de termos realizado uma greve sem ocupações de prédios, a Reitoria não pensou duas vezes antes de acionar o  cacetete, as balas de borracha e as bombas de gás lacrimogêneo. Aliados com a mídia burguesa também tentavam isolar a luta por meio da difamação e  intimidação.

Piquetes foram desmanchados à força, trancaços foram  dispersados por enormes contingentes policiais, lutador_s foram taxad_s  de violent_s e seus métodos considerados ilegítimos. Fica provado que  com ocupação ou sem ocupação, a polícia é sempre um recurso para a  reitoria. Com  relação a isso, nenhuma novidade.

Não é de hoje nem de ontem que  sabemos que a PM suja as mãos pelos de acima e a mídia justifica suas  ações. Uns mandam e outros obedecem em prol da “ordem”.
Além  disso, viu-se a repressão sendo feita em outros níveis. As burocracias  de unidade novamente cumpriram o papel de intimidação e assédio moral  com o claro interesse de destruir o movimento. Dezenas de exemplos  demonstram a clara intenção de desarticular a luta tanto de estudantes –  como no caso de cobranças de trabalhos por parte de professor_s  fura-greve e alinhados com a política da reitoria -, como de  trabalhador_s – corte de pontos, exigência de trabalhos em níveis  administrativos e etc.

Todas  essas ações, na tentativa de minar o movimento grevista, tinham  como objetivo transmitir a mensagem que Zago tentou impor à todo  momento: com greve, com movimento, não se consegue nada. Mensagem esta, que claramente não se concretizou e a reitoria da Universidade de São Paulo se viu ajoelhada perante a força dos trabalhadores unidos.

Vale lembrar também que uma das vitórias da greve contra a repressão policial foi a libertação do companheiro Fábio Hideki, preso em um ato contra as injustiças da copa. Não acreditamos que ele, funcionário e lutador da USP e do sindicato, tenha sido preso “por acaso”, bem como não acreditamos que foi obra do acaso ele ter sido. Foi a mobilização massiva da greve da USP em defesa do Fábio que fez com que ele fosse solto. Este dia foi muito simbólico, pois representava a incrível força da greve na USP que no mesmo dia de sua libertação havia realizado um trancaço que fechou a USP toda durante a primeira metade do dia.

AVANÇOS E VITÓRIAS

A vitória da greve dos trabalhadores da USP é uma vitória para a classe  trabalhadora como um todo, e que só pode ser visto com bons olhos pelas pessoas que buscam o fortalecimento da classe e de todas de abaixo. A greve de 118 dias na USP recolocou para a classe trabalhadora de todo o país que somente a luta muda a vida.

Toda greve é positiva, pois de toda experiência de levante popular e organização conseguimos dar um passo a mais na construção de outro projeto político. Para nós esta greve, apesar de não ter conquistado os eixos estudantis, trouxe avanços reais para o movimento.

A atuação de maneira coordenada com Núcleo de Consciência Negra no 1º semestre impulsionou o consenso em torno da importância das cotas raciais e sociais como eixo de mobilização e levou esta força até a greve de trabalhadores que organizou atividades sobre a luta do povo negro e recolocou o debate de apoio à pauta de cotas. O CRUSP, através  de sua entidade -AMORCRUSP-, contribuiu em muito para avançarmos no debate sobre permanência, e seguirá tendo papel fundamental para mobilizações futuras.

Se  a greve do ano passado foi construída a partir de uma pauta totalmente  descolada das de abaixo, sem nenhuma capacidade de se ligar à população  de fora da Universidade, a greve de 2014 serviu, no mínimo, para  consolidar as cotas raciais e sociais como pauta fundamental para o ME,  além de concretizar os Grupos de Trabalho de permanência estudantil em diversos cursos, permitindo a  construção de uma luta futura com bases sólidas.

Esta greve também provou a importância fundamental de uma luta organizada pelas bases através do comando de greve. Não há mais dúvidas para o movimento estudantil que é a organização direta através dos fóruns horizontais que conseguiremos construir greves fortes. As passagens em sala foram uma importante ferramenta para tentar quebrar o isolamento do movimento e ampliar o alcance do debate sobre os ataques da reitoria. Esta greve evidenciou o problema da ausência de trabalho de base. Há muito o que mudar no movimento estudantil para que a desmobilização de 2014 seja apenas uma exceção. Precisamos seguir comprometidos com a luta diária e a organização constante dos estudantes.

A greve é uma importante ferramenta para nós. As conquistas grevistas colocam para as pessoas que é possível, com muita luta e organização, atingir conquistas reais e não se curvar ao autoritarismo da reitoria e dos patrões. Inseparáveis das conquistas de pautas imediatas (reajuste salarial,  abono, etc.), vitórias e avanços se medem por esse fortalecimento, que a  médio e a longo prazo trazem novas conquistas. Se terminamos essa greve  com a sensação de que poderíamos ter feito mais, então que façamos mais. Se terminamos essa greve com ainda mais clareza de que temos  de enfrentar a Reitoria, o governo do estado, os de acima, então esta greve se encerrou com o aprendizado de nossos erros também.

Afinal,  fazemos balanços e avaliações não para chorar sobre o leite derramado,  mas para nos armarmos e prepararmos ainda mais para as próximas lutas e  enfrentamentos, com a certeza de que serão ainda mais intensos até a  derrubada do capitalismo e dos de acima!

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::
TEXTOS E PANFLETOS QUE SOLTAMOS AO LONGO DA GREVE:

25/agosto: Pro estudantil também não tem arrego! Apontamentos sobre os passos da greve  https://rizoma.milharal.org/2014/08/25/balanco-de-greve/
06/Agosto: Chamada a Assembleia Geral: Participe e fortaleça o Movimento Estudantil
https://rizoma.milharal.org/2014/08/06/esta-quinta-feira-tem-assembleia-geral-de-estudantes-da-usp-participe-e-fortaleca-o-movimento-estudantil/

05/Agosto: Volta às aulas para quem? ou sobre a necessidade de recuperar a força do movimento estudantil:
https://rizoma.milharal.org/2014/08/05/texto-volta-as-aulas-para-quem-ou-sobre-a-necessidade-de-recuperar-a-forca-do-movimento-estudantil/

28/Julho: Nota de apoio ao SINTUSP
https://rizoma.milharal.org/2014/07/28/nota-de-apoio-ao-sintusp/

24/Junho: Nota de solidariedade aos presos no ato não vai ter copa
https://rizoma.milharal.org/2014/06/24/nota-de-solidariedade-aos-presos-politicos-do-ato-nao-vai-ter-copa/
10/Junho: Por que somos a favor de cotas e permanência como eixos prioritários para o movimento estudantil
https://rizoma.milharal.org/2014/06/10/texto-por-que-somos-a-favor-de-cotas-e-permanencia-como-eixos-prioritarios-para-o-movimento-estudantil/
26/Maio: Piquetar a peleguice: geral na greve geral! – nosso posicionamento para o início desta greve
https://rizoma.milharal.org/2014/05/26/piquetar-a-peleguice-geral-na-greve-geral-nosso-posicionamento-para-o-inicio-desta-greve/

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta